sexta-feira, 26 de março de 2010

sobre círculo de março

"O fogo queima padrões, alimenta esperanças,
agradecemos com tabaco, os raios dizem SIM
Sandra e Danny se iniciam como guardiães.

Florais nas águas nos cálices das mulheres
limpamos emoções, saem as más águas,
ficam as boas, Oxum vem dançar conosco
ao som dos risos das mulheres.
O "lobo" uiva e diz SIM
Maria Cristina e Alice se iniciam guardiães

Cristais da Terra, Corpo massageado,
aprendemos sobre os limites, a importância das raízes,
E a Terra diz SIM, Cristina claudia é iniciada,

O ar entra em nós e circula
na meditação da respiração
entre um pensar e outro
vem os ancestrais
pelo vento apagando as velas
dizendo SIM
Aparecida é guardiã
e também nova coordenadora

A chuva chega abençoando,
junto com as mulheres sacerdotisas
que espalmam suas mãos às guardiães,
confirmando e aceitando as novas mães.

A jibóia consagra a união das irmãs
das sacerdotisas e apoia a missão
de continuação
do círculo da lua nova do sagrado feminino."
Sílvia Ayani Rocha

Mulheres de Atenas e de hoje - Betto

Um artigo interessante:



MULHERES DE ATENAS E DE HOJE



Hours concours em Cannes, um dos filmes de maior sucesso no badalado festival francês foi "Ágora", direção de Alejandro Amenabar. A estrela é a inglesa Rachel Weiz, premiada com o Oscar 2006 de melhor atriz coadjuvante em "O jardineiro fiel", dirigido por Fernando Meirelles.

Em "Ágora" ela interpreta Hipácia, única mulher da Antiguidade a se destacar como cientista. Astrônoma, física, matemática e filósofa, Hipácia nasceu em 370, em Alexandria. Foi a última grande cientista de renome a trabalhar na lendária biblioteca daquela cidade egípcia. Na Academia de Atenas ocupou, aos 30 anos, a cadeira de Plotino. Escreveu tratados sobre Euclides e Ptolomeu, desenvolveu um mapa de corpos celestes e teria inventado novos modelos de astrolábio, planisfério e hidrômetro.

Neoplatônica, Hipácia defendia a liberdade de religião e de pensamento. Acreditava que o Universo era regido por leis matemáticas. Tais ideias suscitaram a ira de fundamentalistas cristãos que, em plena decadência do Império Romano, lutavam por conquistar a hegemonia cultural.

Em 415, instigados por Cirilo, bispo de Alexandria, fanáticos arrastaram Hipácia a uma igreja, esfolaram-na com cacos de cerâmica e conchas e, após assassiná-la, atiraram o corpo a uma fogueira. Sua morte selou, por mil anos, a estagnação da matemática ocidental. Cirilo foi canonizado por Roma.

O filme de Amenabar é pertinente nesse momento em que o fanatismo religioso se revigora mundo afora. Contudo, toca também outro tema mais profundo: a opressão contra a mulher. Hoje, ela se manifesta por recursos tão sofisticados que chegam a convencer as próprias mulheres de que esse é o caminho certo da libertação feminina.

Na sociedade capitalista, onde o lucro impera acima de todos os valores, o padrão machista de cultura associa erotismo e mercadoria. A isca é a imagem estereotipada da mulher. Sua autoestima é deslocada para o sentir-se desejada; seu corpo é violentamente modelado segundo padrões consumistas de beleza; seus atributos físicos se tornam onipresentes.

Onde há oferta de produtos - TV, internet, outdoor, revista, jornal, folheto, cartaz afixado em veículos, e o merchandising embutido em telenovelas - o que se vê é uma profusão de seios, nádegas, lábios, coxas etc. É o açougue virtual. Hipácia é castrada em sua inteligência, em seus talentos e valores subjetivos, e agora dilacerada pelas conveniências do mercado. É sutilmente esfolada na ânsia de atingir a perfeição.

Segundo a ironia da Ciranda da bailarina, de Edu Lobo e Chico Buarque, "Procurando bem / todo mundo tem pereba / marca de bexiga ou vacina / e tem piriri, tem lombriga, tem ameba / só a bailarina que não tem". Se tiver, será execrada pelos padrões machistas por ser gorda, velha, sem atributos físicos que a tornem desejável.

Se abre a boca, deve falar de emoções, nunca de valores; de fantasias, e não de realidade; da vida privada e não da pública (política). E aceitar ser lisonjeiramente reduzida à irracionalidade analógica: "gata", "vaca", "avião", "melancia" etc.

Para evitar ser execrada, agora Hipácia deve controlar o peso à custa de enormes sacrifícios (quem dera destinasse aos famintos o que deixa de ingerir...), mudar o vestuário o mais frequentemente possível, submeter-se à cirurgia plástica por mera questão de vaidade (e pensar que este ramo da medicina foi criado para corrigir anomalias físicas e não para dedicar-se a caprichos estéticos).

Toda mulher sabe: melhor que ser atraente, é ser amada. Mas o amor é um valor anticapitalista. Supõe solidariedade e não competitividade; partilha e não acúmulo; doação e não possessão. E o machismo impregnado nessa cultura voltada ao consumismo teme a alteridade feminina. Melhor fomentar a mulher-objeto (de consumo).

Na guerra dos sexos, historicamente é o homem quem dita o lugar da mulher. Ele tem a posse dos bens (patrimônio); a ela cabe o cuidado da casa (matrimônio). E, é claro, ela é incluída entre os bens... Vide o tradicional costume de, no casamento, incluir o sobrenome do marido ao nome da mulher. Sem citar as violências domésticas cometidas contra ela em casa, ou quando quer se separar.

No Brasil colonial, dizia-se que à mulher do senhor de escravos era permitido sair de casa apenas três vezes: para ser batizada, casada e enterrada... Ainda hoje, a Hipácia interessada em matemática e filosofia é, no mínimo, uma ameaça aos homens que não querem compartir, e sim dominar. Eles são repletos de vontades e parcos de inteligência, ainda que cultos.

Se o atrativo é o que se vê, por que o espanto ao saber que a média atual de durabilidade conjugal no Brasil é de sete anos? Como exigir que homens se interessem por mulheres que carecem de atributos físicos ou quando estes são vencidos pela idade?
Pena que ainda não inventaram botox para a alma. E nem cirurgia plástica para a subjetividade.



Fonte: www.adital.org.br



Betto - Escritor e assessor de movimentos sociais (autor de "A arte de semear estrelas" (Rocco), entre outros livros).




--

voando como águia

Cortando os céus com precisão , criando com os volteios de suas asas de Luz a conexão com o Grande Espírito , o conhecimento que jaz sob a forma de uma águia nos convida a alçar vôo...
Olhar o chão da perspectiva dos céus . trazer a percepção de como temos a visão de um rato quando nos deixamos envolver pela balbúrdia do mundo , de nossa cabeça lutando em uma jaula de conceitos , despedaçando a preciosa maravilha que é simplesmente estar vivo tocando o mundo e se deixando tocar por ele...
respirar o ar rarefeito , ter a visão ilimitada , a implacabilidade de quem faz uma escolha e não se desvia dela até tê-la alcançado , sem piedade para com o lado medroso e limitado que cada um carrega como uma marca da cristalização social, da colonização de nossos corpos e mentes , abrindo as asas para a imensidão dos mundos , tornando cada passo do caminho um marco memorável...
e , libertando-se de qualquer limite ou separação , aprender que a realização da essência humana é a doação.
é a luta por um mundo melhor dentro e fora , escolhendo os caminhos certeiros , se curvar perante a imensidão do Todo e renunciar ao egoísmo que deriva da falta de confiança em si mesmo .
Doar para cumprir o circuito das leis Sagradas Universais simplesmente porque o teu coração transborda , sem se importar com qualquer resultado , sem se prender a nenhuma fibra , sem desejar reconhecimento , medalha , nada , porque o que mais importa , para além de tudo , de todas as fantasias tolas sociais , voce já encontrou : a fonte inesgotável de amor , bem aventurança e alegria que mora dentro de teu coração.
Como uma recordação profunda de seu lar de origem nas estrelas , o ser-águia sabe a que veio e se entrega sem medo ao seu destino , aproveitando cada momento , cada lufada de vento , cada volteio , para ususfruir do prazer de existir, pois sabe também , que a vida é um sopro , um segundo que tudo se faz , desfaz e refaz , mas a cada momento com um gosto diferente , com um novo encaixe , em espirais que exalam a beleza profunda do espírito para além de qualquer forma ou limitação...
É criar o ninho no alto da montanha da nossa consciência
É saber mergulhar dentro de si para buscar o próprio aprendizado
É ser feroz para transcender as ilusões e os apegos
É saber o momento de se recolher e se reinventar
è também ter a humildade de aceitar as mortes necessárias sabendo que é apenas mais uma passagem
mais um vôo
para um novo giro
para refletir todas as cores do arco-iris
na imensidão de nossa alma


have a nice flight

Wise Buffalo Woman



--

A Velha e os círculos de pedra


Oi,Sílvia

Não sei se você recebe a newsletter do Somos Todos Um. Hoje veio esse texto e achei que está em sintonia com o círculo da lua nova.

beijos
Paula

http://somostodosum.ig.com.br/conteudo/c.asp?id=09668

A Velha e os Círculos de Pedra
:: Adília Belotti ::

Há 15 anos (provavelmente mais, o tempo da memória nem sempre acompanha os roteiros celestes), um amigo me deu um livro: The Crone, woman of age, wisdom and power (ou A anciã, uma mulher de idade, sabedoria e poder), da escritora americana Bárbara Walker. Por coincidência ou por artes outras, ele já chegou às minhas mãos velho, porque, na verdade, tinha sido achado jogado em uma caixa, e fora descoberto num desses dias que a gente resolve fazer uma faxina na casa e arrumar as gavetas da alma.

'Espiritualidade feminina', era sobre isso, o livro de Barbara Walker. Nunca tinha ouvido falar dessa expressão até aquele instante. Li A Velha tantas vezes depois, que acabei decorando passagens inteiras... E quando olhei para trás, entendi que por trás das ladainhas dos rosários das minhas tias, da Nossa Senhora de Fátima que passeava de casa em casa, das promessas de bolos, flores, velas, todas cumpridas a muitas mãos femininas, das orações acompanhadas de 'sinais da cruz', feitas em sussurros nas costas das crianças doentinhas, havia muito mais do que a carolice conformista que eu, lá pelas tantas da adolescência, aprendera a criticar.

Por aquela porta entraram velhas sábias e mães terríveis. Passaram Uroborus engolindo a própria cauda e Grandes Deusas de onde tudo veio e para onde todos os seres do universo voltarão. Desfilaram deusas terríveis e deusas deslumbrantes, Kali e Shakti, Inana e Íris. E longe de serem representações frias, ressequidas habitantes das páginas dos livros, eu as descobria vivendo em mim, quentes e pulsantes, aspectos da alma feminina fascinantes e inexplorados, forças arquetípicas que transformavam o mundo em uma epifania feminina.a Terra virava Gaia e eu era parte dela.

Depois da Velha, vieram as Mulheres que Correm com o Lobo. Foi quando conheci minhas irmãs e elas iluminaram as tantas e tantas zonas escuras do meu ser feminino... Achei graça quando outro dia uma menina, muito jovem, veio me perguntar o que eu achava do livro de Clarissa Pinkola Estés. "Deixe na sua mesa de cabeceira, eu avisei, as palavras vão mudando e adquirem sentidos novos, à medida que você vai envelhecendo.é impossível de comprovar isso a olho nu, mas acontece, juro, coisa de bruxa!"

E veio o Círculo de Pedras, santuário feminino por excelência, a mais primitiva forma de construção sagrada, o primeiro templo. Um círculo, com pedras colocadas em sequência, ligeiramente afastadas umas das outras. Era lá que as mulheres e os homens se reuniam para compartilhar as histórias dos deuses... das deusas... Ring of Brogdar, Stonehenge... um dia, talvez quando eu já não for uma fiftie, vou percorrer essas formas estranhas, recortadas contra o céu de mãos dadas com minhas filhas.

E embrulhada no círculo, veio a pergunta: Como sua vida de mulher teria sido diferente se "existisse um lugar para você, um lugar de mulheres, um lugar onde outras mulheres, mais velhas, talvez, estivessem esperando para ajudá-la a fincar raízes na terra sagrada do feminino. Um lugar onde houvesse um entendimento profundo dos jeitos das mulheres e onde você pudesse encontrar alimento em todas as estações da vida. Um lugar de mulheres para ajudar você a enxergar seu próprio rosto e a avaliar sua própria estatura. Para ajudá-la a se preparar e para saber quando você estivesse pronta... Como sua vida seria diferente?"

É, a Velha Sábia me tomou pela mão há muitos anos e me conduziu por todas essas estradas vicinais... De vez em quando, engraçado, quando estou devorada de perplexidade, penso nela. E marcamos um encontro à sombra de uma árvore. Ela sempre está lá, envolvida por um xale, cabelos longos presos num coque folgado. Sorriso de quem, embora já tenha visto tudo, ainda é capaz de maravilhar-se. E o melhor colo do mundo...

A velha, mulher de idade, sabedoria e poder, de Barbara Walker, Editora A senhora
Mulheres que correm com os lobos, Clarissa Pinkola Estés, Editora Rocco
Circle of stones, woman's journey to herself, Judith Duerk, Innisfree Press

Adília Belotti é jornalista e mãe de quatro filhos. É editora responsável pelo Delas, o site feminino do portal IG, onde tem uma coluna chamada Fifties. Além disso, cuida do IgEducação e de um site de cultura multimídia, o Arte Digital e também é colunista do Somos Todos UM.
Em 2006 lançou seu primeiro livro: Toques da Alma, clique e confira.
Email: belotti@ig.com


--
* Seja a mudança que você quer ver no mundo *


--

Depoimento de Dani Miranda

ALGO OCORREU QUE DE UNS TEMPOS PARA CÁ... FISICAMENTE EXPERIMENTEI ESTAR AUSENTE DE CORPO... MAS SEMPRE PRESENTE DE CORAÇÃO... ACOMPANHANDO A AGENDA E TODO SUTIL QUE ROLA...

ESSE DEPOIMENTO DE ALICE, ME ARREPIOU DA CABEÇA AOS PÉS... ONTEM A VI... TODA DEUSA... SAINDO DO CURSO DE TOTENS E CHAKRAS... E COM CERTEZA A GARGANTA- CHAKRA LARINGEO... PULSANDO-VIBRANDO E TORNANDO-SE NA PALAVRA-VOZ QUE VEZ DO CORAÇÃO...

DURANTE ESSE TEMPO... TAMBÉM VI SILVIA... DUAS VEZES... COM LUCAS AOS QUATRO PARA CINCO MESES E NO III ENCONTRO INTERNACIONAL...

SIM... SIM... SIM... AS PALAVRAS DE ALICE... SILVIA... REDONDA COMO A LUA, NOSSA DEUSA LUA.... SILVIA, DEUSA-MÃE... TAMBÉM SOU GRATA A VOCÊ.

UMA VEZ DE CORAÇÃO, SEMPRE NA TEIA...


GRATIDÃO À SILVIA,

GRATIDÃO A ALICE,

GRATIDÃO A TODAS MULHERES DO CIRCULO DA LUA NOVA,


EU FALEI,

DANIELLA MIRANDA PINHEIRO

Quando o céu casa com a Terra - Leonardo Boff


Quando o Céu casa
com a Terra



Leonardo Boff





Observando o processo de mundialização, entendido como nova etapa da humanidade e da Terra, no qual culturas, tradições e povos os mais diversos se encontram pela primeira vez, tomamos consciência de que podemos ser humanos de muitas maneiras diferentes e que se pode encontrar a Última Realidade, a mais íntima e profunda, seguindo muitos caminhos. Pensar que há uma única janela pela qual se pode vislumbrar a paisagem divina é a ilusão dos cristãos do Ocidente. É também o seu erro. Hoje o atual Papa vive repetindo a sentença medieval, superada pelo Vaticano II, de que “fora da Igreja não há salvação”. Para ele, ela é a única religião verdadeira e as outras são tão somente braços estendidos ao céu mas sem a certeza de que Deus acolha esta súplica. Pensar assim é ter pouca fé e imaginar que Deus tem o tamanho da nossa cabeça. Quem não encontrou pessoas profundamente piedosas de outras religiões, nas quais se percebe claramente a presença de Deus? Não reconhecer tal realidade é, na verdade, pecar contra o Espírito Santo que está sempre alimentando a dimensão espiritual ao largo dos tempos históricos.

Nas minhas muitas viagens, nos encontros com culturas diferentes e com pessoas religiosas de todo tipo, me dei conta da necessidade que todos temos de aprender uns dos outros e da profunda capacidade de veneração da qual os mais diferentes povos dão convincente testemunho.

Há alguns anos, dei palestras em muitas cidades da Suécia sobre ecologia e espiritualidade. Numa ocasião me levaram quase ao pólo norte onde vivem os samis (esquimós). Eles não gostam de encontrar estrangeiros. Mas sabendo que era um teólogo da libertação, quiseram conhecer esta raridade. Vieram três líderes indígenas. O mais velho logo me perguntou:”Os índios do Brasil casam o Céu com a Terra ou não”? Eu logo entendi a intenção e respondi de pronto:”Lógico que casam, pois deste casamento nascem todas as coisas”. Ao que ele, feliz, retrucou:”então são ainda índios e não são como nossos irmãos de Oslo que já não acreditam no Céu”. E dai seguiu-se um dialogo profundo sobre o sentido de unidade entre Deus, o mundo, o homem, a mulher, os animais, a terra, o sol e a vida.

Experiência semelhante vivi em 2008 na Guatemala quando participei de uma belíssima celebração com sacerdotes maias junto o lago Atitlan. Havia também sacerdotisas. Tudo se realizava ao redor do fogo sagrado. Começaram invocando as energias das montanhas, das águas, das florestas, do sol e da mãe Terra. Durante a cerimônia, uma sacerdotisa se avizinhou de mim e disse:”você está muito cansado e deve ainda trabalhar bastante”. Efetivamente, por vinte dias percorri, de carro, vários países participando de eventos e dando muitas palestras. E então ela com seu polegar pressionou meu peito, na altura do coração, com tal força a ponto de quase me quebrar uma costela. Tempos depois, retornou a mim e disse:”você tem um joelho machucado”. Eu lhe perguntei: “como sabe”? E ela respondeu: “eu o senti pela força da Mãe Terra”. Com efeito, ao desembarcar na praia, retorci o joelho que inchou. Levou-me junto ao fogo sagrado e por trinta a quarenta vezes passou a mão do fogo ao joelho até que esse desinchasse totalmente. Antes de terminar a celebração que durou cerca de três horas, retornou a mim e disse:”está ainda cansado”. E novamente pressionou fortemente o polegar sobre meu peito. Senti estranho ardor e de repente estava relaxado e tranqüilo como nunca antes.

São sacerdotes-xamãs que entram em contacto com as energias do universo e ajudam as pessoas no seu bem viver.

Certa vez perguntei ao Dalai Lama:”Qual é a melhor religião”? E ele com um sorriso entre sábio e malicioso respondeu:”É aquela que te faz melhor”. Perplexo continuei: “o que é fazer-me melhor”? E ele:”aquela que te faz mais compassivo, mais humano e mais aberto ao Todo esta é a melhor”. Sábia resposta que guardo com reverência até os dias de hoje.

Leonardo Boff é autor do livro O casamento entre o Céu e a Terra, Salamandra 2001.





Autor: Leonardo Boff
Fonte: www.leonardoboff.com






--

Depoimento de Alice Gress

Depoimento ao Círculo da Lua...


Falar da minha história é o mesmo que falar da história de todas nós do Círculo. É falar da Silvia que ficou grávida e redonda, como a própria Lua! Começa quando sabendo ou não, nos sentamos

no Leste ...do Fogo e da Iluminação;

no Sul,...da Água e do Amor;

no Oeste...da Terra e da Cura;

ou no Norte...do Ar e da Sabedoria!

Começa quando entendemos que não estamos presas a um elemento e que tanto interna como externamente vivenciamos todos eles... Que temos que estar atentas aos sinais da natureza para fazermos as mudanças, que como a Lua, nós temos nossos ciclos...

O Círculo vem me mostrar que meu nome é Alice, e o significado dele é aquela que fala a verdade; que meu nome Cheyenne é “Mulher Dançando com Sonhos” do Clã dos Lobos e que meu Nome na tradição Huni Kuin é Maspã, que quer dizer Alegria!!! Esses presentes e outros mais que recebi durante o Ano passado freqüentando o Círculo da Lua, mudaram e estão mudando a minha vida! Querem um lugar mais perfeito para um Lobo estar?! Uivando para a Lua com Alegria, passando ensinamentos e a medicina do Coiote, que brincando mostra a verdade?! Essa sou Eu, agradecida a todas Vocês que se sentam em volta da fogueira do “Círculo da Lua”, com os corações alinhados na mesma direção porque na verdade, “Somos Todos Um”! O que acontece ao planeta (que é um Círculo) acontece a nós... Tudo é a mesma coisa...

Minha Gratidão a Silvia, as Guardiãs e a Todas Vocês...



Eu Falei, Eu sou Alice Gress...




--

A Lua e a Profissão - marcia Mattos


Livro da Lua ::: A Lua e a profissão - Márcia Mattos



A Lua simboliza, entre outras coisas, a nossa satisfação emocional, aquilo que nos nutre emocionalmente, aquilo que nos faz sentir seguros, confortáveis. Mostra também a nossa disposição, isto é, o que fazemos naturalmente, sem nenhum esforço, sem passar pelo filtro da mente racional.

No trabalho, independente da profissão exercida, a Lua em nosso mapa nos revela o que precisamos fazer para sermos felizes, para nos sentir seguros e à vontade. Indica o grau de satisfação que a pessoa tem -- ou não tem - na sua ocupação.

A Lua representa, portanto, um lugar de destaque na área vocacional, na escolha de nossa profissão, no nosso trabalho. Somente se estivermos em sintonia com o tipo de energia peculiar da Lua em nosso mapa - isto é, de acordo com o signo em que se encontra a Lua -, é que nos sentiremos gratificados e emocionalmente satisfeitos com a profissão e o trabalho que escolhemos.

Com a Lua em Áries, a pessoa sente-se emocionalmente segura quando tem alto grau de independência nas suas decisões, liberdade de ação e liderança na sua atividade profissional. A Lua em Áries favorece, portanto, todo tipo de trabalho autônomo, atividades externas ou cargos em que a pessoa atua como líder. A Lua em Áries confere à pessoa uma disposição a ter iniciativa, a ser competitiva, a lutar, a se atirar literalmente de cabeça. A pessoa sente-se bem e à vontade em atividades profissionais onde a competição se faz necessária, onde a capacidade de iniciativa e tomada de decisões é essencial, onde é necessário demonstrar ousadia e coragem, assumir riscos. Algumas áreas propícias, em que a pessoa com Lua irá se sentir plenamente acolhida: atividades autônomas, cargos em que ocupa posição de liderança, como gerente, supervisor, empresário, dono de loja, repórter, atividades ao ar livre, atletismo e esportes, repórter, cirurgião, corredor, aviador, polícia.

Com a Lua em Touro, a pessoa sente-se emocionalmente segura quando está alicerçada, quando está ganhando dinheiro e, portanto, quando está materialmente segura e quando está conservando ou adquirindo bens duradouros. A Lua em Touro favorece, portanto, toda área ligada às finanças e ao setor imobiliário e de construção. A Lua em Touro confere à pessoa uma disposição a manter a rotina estabelecida, a ser persistente, a valorizar as coisas bonitas, a beleza e a natureza . A pessoa sente-se bem e à vontade em atividades artísticas e ligadas à estética, em atividades profissionais ligadas à terra, bem como em qualquer trabalho que exija perseverança. Algumas áreas propícias em que a pessoa com Lua em Touro irá se sentir plenamente acolhida: profissões ligadas à área financeira, como economista, contador, banqueiro, ao setor imobiliário, atividades ligadas à estética e beleza, como música, canto, dança, salão de beleza, decorador, floricultor, paisagismo e agricultura.

Com a Lua em Gêmeos, a pessoa sente-se emocionalmente segura quando está circulando, indo de um lugar para outro, vendo e explorando coisas novas, comunicando-se através de todos os meios disponíveis e, sobretudo, quando atua dentro do campo racional, isto é, quando usa seus pensamentos e suas idéias, e não suas emoções. A Lua em Gêmeos favorece, portanto, toda a área de comunicação dentro do contexto profissional, onde utiliza a palavra, bem as atividades em que há necessidade de se deslocar e até mesmo de viajar. A Lua em Gêmeos confere à pessoa uma disposição a adaptar-se rapidamente a diferentes situações, a explorar, buscar conhecer tudo - agora e ao mesmo tempo! -, a manejar as palavras e também a usar as mãos para criar. A pessoa sente-se bem e à vontade em atividades profissionais onde há necessidade de colher dados, onde é fundamental convencer e persuadir e onde é essencial ter destreza manual. Algumas áreas propícias em que a pessoa com Lua em gêmeos irá se sentir plenamente acolhida: jornalismo, repórter, vendas, representante, área de comunicação em geral, redator, tradutor, relações públicas, turismo, agência de viagens, serviços de transporte, artes gráficas, área da educação, artesanato.

Com a Lua em Câncer, a pessoa sente-se emocionalmente segura quando estabelece laços e vínculos com as outras pessoas, quando assume uma função protetora, quando sente que tem raízes sólidas e lida com situações e ambientes conhecidos, familiares. A Lua em Câncer favorece, portanto, toda área de assistência dentro do contexto profissional, onde a pessoa possa exercer a função de cuidar e ajudar os outros, as atividades onde possa criar uma intimidade. A Lua em Câncer confere à pessoa uma disposição a conservar e preservar tanto os laços afetivos quanto os objetos com os quais também estabelece vínculos emocionais, a estruturar, a manter as tradições e a prover. A pessoa sente-se bem e à vontade em atividades profissionais que valorizam o passado, onde há necessidade de estabelecer vínculos emocionais. Algumas áreas propícias em que a pessoa com Lua em Câncer irá se sentir plenamente acolhida: toda área de assistência, aconselhamento, medicina, enfermagem, culinária, comércio de antigüidades, decoração, escritor, novelista, construção, imobiliária.

Com a Lua em Leão, a pessoa sente-se emocionalmente segura quando está fazendo o que lhe dá prazer, quando é reconhecida, torna-se o centro das atenções e recebe elogios, quando freqüenta ambientes bonitos e, sobretudo, quando está exercendo sua criatividade e sua autoridade, numa posição de comando. A Lua em Leão favorece, portanto, todas as áreas relacionadas com o entretenimento e atividades recreativas, bem como todos os setores onde a pessoa pode exercer profissionalmente a sua criatividade e liderança, onde se encontra numa posição de destaque. A Lua em Leão confere à pessoa uma disposição a ser calorosa, extrovertida, a vivenciar a vida como divertimento e fonte de prazer, a enaltecer as coisas mais simples, tornando-as glamourosas. A pessoa sente-se bem e à vontade em atividades profissionais que exigem a sua plena auto-expressão, como profissões criativas. Algumas áreas propícias em que a pessoa com Lua em Leão irá se sentir plenamente acolhida: todas as atividades de entretenimento, indústria do teatro e do cinema, artes em geral, publicidade, cargos de comando, como gerente, empresário, educador, professor, conferencista, atletismo.

Com a Lua em Virgem, a pessoa sente-se emocionalmente segura quando está fazendo algo útil para os outros, isto é, quando está se sentindo necessária, quando tudo está perfeito, no seu devido local e programado e quando ela consegue atingir alto nível de competência naquilo que se propõe a fazer. A Lua em Virgem favorece, portanto, todos os setores de trabalho em que o desempenho e a perfeição são condições sine qua non para o sucesso, bem como toda área de assistência. A Lua em Virgem confere à pessoa uma disposição a desenvolver trabalhos minuciosos, a ser autocrítica, bem como a criticar falhas e defeitos dos outros. A pessoa sente-se bem e à vontade em atividades profissionais que lidam com habilidade manual, onde é essencial ser meticuloso e detalhista. Algumas áreas propícias em que a pessoa com Lua em Virgem irá se sentir plenamente acolhida: toda área de assistência, como medicina, enfermagem, nutrição, terapias, veterinária, conselheiro, pesquisas de qualquer tipo, serviços de escritório, artesanato, desenhista.

Com a Lua em Libra, a pessoa sente-se emocionalmente segura quando está desenvolvendo alguma atividade com outra pessoa ou com um grupo de pessoas, quando agrada aos outros, quando tudo está em harmonia, equilíbrio e sintonia. A Lua em Libra favorece, portanto, toda área em que é necessário trabalhar em parceria, em que há envolvimento interpessoal, em que há interação com o público. A Lua em Libra confere à pessoa uma disposição a ser cooperativa, a conciliar, a ser sociável e diplomática, a valorizar as coisas belas e harmoniosas. A pessoa sente-se bem e à vontade em atividades profissionais ligadas à estética, às artes e à diplomacia. Algumas áreas propícias em que a pessoa com Lua em Libra irá se sentir plenamente acolhida: toda área que lida com o público, área diplomática, aconselhamento, advocacia, juiz, entrevistador, relações públicas, sociologia, recepcionista e todas as atividades ligadas à estética e à arte, como comerciante de arte, salão de beleza, moda, decoração.

Com a Lua em Escorpião, a pessoa sente-se emocionalmente segura quando tudo está sob o seu controle e quando se encontra numa posição de poder, quando mergulha profundamente no âmago das coisas para desvendar-lhes a alma. A Lua em Escorpião favorece, portanto, toda área em que é necessário que a pessoa exerça poder e desenvolva sua capacidade de persuasão, bem como as mais diversas atividades profissionais que lidam com a investigação e pesquisa, em que há necessidade de intensa interação com outras pessoas. A Lua em Escorpião confere à pessoa uma disposição a dedicar-se e entregar-se intensamente a tudo que faz, a ser persistente, a influenciar e manipular os outros, a transformar coisas antigas ou que não servem mais num processo verdadeiramente regenerativo e de renovação. A pessoa sente-se bem e à vontade em atividades profissionais que exigem intensa dedicação, em todo tipo de atividade que lida com regeneração, reforma e restauração. Algumas áreas propícias em que a pessoa com Lua em Escorpião irá se sentir plenamente acolhida: toda área de pesquisa e cura, medicina, terapia, psicologia, psiquiatria, marketing, reabilitação, reconstrução, restauração, investigação, polícia, política.

Com a Lua em Sagitário, a pessoa sente-se emocionalmente segura quando está adquirindo conhecimentos, quando busca ativamente o saber e as respostas, quando tem a sua total liberdade para atirar-se no mundo, entregar-se à aventura. A Lua em Sagitário favorece, portanto, todas as áreas ligadas ao conhecimento, à educação, ao ensino, principalmente de nível superior, bem como as atividades onde possa expressar seu gosto pela aventura. A Lua em Sagitário confere à pessoa uma disposição a ver o lado positivo da vida, a pensar grande, a ser otimista diante das dificuldades e, portanto, a ser confiante. A pessoa sente-se bem e à vontade em atividades profissionais que permitem propagar suas idéias e ser independente e, obviamente, em qualquer tipo de trabalho autônomo onde possa se expandir. Algumas áreas propícias em que a pessoa com Lua em Sagitário irá se sentir plenamente acolhida: toda área ligada à instrução e ao conhecimento, como professor, conferencista, conselheiro, atividades que envolvem viagens e culturas estrangeiras, como turismo, importação-exportação, negócios estrangeiros, piloto, bem como o setor das telecomunicações, como editor, escritor, publicidade.

Com a Lua em Capricórnio, a pessoa sente-se emocionalmente segura quando está exercendo a sua competência e excelência, quando sente que está executando um trabalho sério, no qual é exigida toda a sua responsabilidade, e quando está construindo algo sólido e duradouro. A Lua em Capricórnio favorece, portanto, todas as áreas onde é exigida especialização e alta competência, favorecendo as profissões liberais, as atividades científicas e de pesquisa, todos os setores de administração. A Lua em Capricórnio confere à pessoa uma disposição a ser conservadora, perseverante, ambiciosa e prática e a ter seriedade nos seus compromissos. A pessoa sente-se bem e à vontade em atividades profissionais onde há necessidade de muita disciplina e onde há metas a serem alcançadas, como, por exemplo, desenvolver seu próprio negócio, exercer cargos de chefia, implementação de projetos. Algumas áreas propícias em que a pessoa com Lua em Capricórnio irá se sentir plenamente acolhida: negócios onde seja o próprio dono ou exerça cargo de chefia ou gerência, administração, área de construção, profissões liberais, como arquitetura, dentista, médico, projetista, músico, pesquisador e cientista.

Com a Lua em Aquário, a pessoa sente-se emocionalmente segura quando está exercendo a sua liberdade e independência total, quando está fazendo algo original e, portanto, alimentando a sua natureza individualista e quando está contribuindo de modo independente para a melhoria das condições sociais. A Lua em Aquário favorece, portanto, todas as profissões autônomas, onde a pessoa possa agir como se fosse seu próprio patrão e chefe, sem horário fixo, bem como as atividades onde possa contribuir para melhorias ou para o bem de uma coletividade ou grupo. A Lua em Aquário confere à pessoa uma disposição a ser amistosa, desprendida, a ser inovadora e radical, a procurar coisas não-convencionais. A pessoa sente-se bem e à vontade em qualquer área ligada às novas tecnologias, em ocupações diferentes e até mesmo inusitadas, mas que sejam estimulantes, em atividades onde é necessário um espírito inventivo. Algumas áreas propícias em que a pessoa com Lua em Aquário irá se sentir plenamente acolhida: eletrônica, informática, física nuclear, engenharia e outras atividades no campo aeroespacial, cientista em geral, pesquisador, toda a área de serviço e assistência social, atividades ligadas ao movimento New-Age, astrologia.

Com a Lua em Peixes, a pessoa sente-se emocionalmente segura quando se entrega a algo maior, quando estabelece uma conexão com um poder mais elevado, quando "sabe" ou, melhor, pressente por intuição. A Lua em Peixes favorece, portanto, todas as atividades ligadas à inspiração, incluindo habilidades psíquicas e artísticas. A Lua em Peixes confere à pessoa uma disposição a sonhar, a desligar-se do cotidiano, da rotina, a idealizar, a desenvolver sua imaginação criativa e a ter empatia e compaixão pelo outro, podendo até assumir o papel de salvador. A pessoa sente-se bem e à vontade em atividades profissionais ligadas à área de assistência e ajuda, suprindo as necessidades do outro, bem como à indústria do entretenimento ligado ao poder de criar ilusão. Algumas áreas propícias, em que a pessoa com Lua em Peixes irá se sentir plenamente acolhida: toda área de saúde física e mental, medicina, psicologia, trabalho em hospitais, hipnose, conselheiro espiritual, atividades artísticas e ligadas ao entretenimento, como cinema, música, compositor, escritor, dança.



--

canto de Sheila Chandra - woman I'm calling you

Queridas Deusas,



Ainda estamos em março, mês que se celebra o Dia Internacional das Mulheres, por isso, mando a todas vocês este vídeo com essa canção belíssima para que juntas possamos chamar as mulheres de todos os lugares para que se juntem a nossa caminhada de resgate ao Sagrado Feminino, ao nosso Sagrado.



Que todas vocês tenham uma boa viagem interior ao escutarem esta canção e que juntas consigamos entender a importancia desse chamado!!!


http://www.youtube.com/watch?v=5Rl6RGhv-0M





Maria Cristina de Resende
Psicóloga - Arteterapeuta - Terapeuta Floral

A Tartaruga



Compartilhando, com dedicação especial aos do Clã da Tartaruga...
Bjs
Beth Bear

A TARTARUGA

A medicina da tartaruga: poder de cura do feminino, desenvolvimento de novas idéias, conexão com a terra e a água, honrar a Mãe Terra, fonte curadora, focalizar pensamentos e ações, tenacidade, defesa, respeitar nossos próprios limites, amadurecimento, paciência.

Conta uma lenda Chippewa que quando o mundo foi feito, o Grande Espírito solicitou ajuda a todos os animais. A etapa final da criação era encontrar alguém que ajudasse a manter a Terra no lugar. A tartaruga foi a última a se apresentar, oferecendo seus serviços, pois acreditava que era muito velha e muito lenta para tal função, porém, seu casco forte era o único capaz de suportar tal tarefa.

A tartaruga é um dos símbolos mais antigos representativos da Mãe Terra, significando nutrição, proteção, e também a cura que carregamos em nosso interior. A tartaruga nos recorda de que a conexão com a Grande Mãe está no dar e receber, na reciprocidade e somente assim podemos entender o verdadeiro significado da criação e da conexão.

O casco da tartaruga carrega o simbolismo dos treze clãs maternos originais, a conexão Terra-Lua, as treze luas, a água, a terra, a associação ao feminino.

Os Chippewa, Cree, Iroquois, por exemplo, referem-se ao continente norte-americano como a "Ilha Tartaruga". Eles observaram que o casco rígido protegia um ser, e associaram à Terra como um organismo vivo que protege todos os seres que nela vivem. Para os maias, o cinturão de Orion era visto como uma tartaruga cósmica. Na arqueologia maia encontramos a casa das tartarugas em Uxmal.




__._,_.___

O Olimpo nas empresas


Quem quiser ler mais artigos, eles estao no meu blog particular.
http://silviarenatarocha.blogspot.com/2009/05/o-olimpo-nas-empresas-as-deusas-vao.html

beijos
Sílvia

O Olimpo nas empresas - as deusas vão trabalhar
O Olimpo nas empresas

Existem nas mulheres pelo menos sete arquétipos em sua psiqué que se bem vividos e expressos podem ser uma força na vida da mulher. São as imagens das deusas gregas que aqui se vestem pra trabalhar:

Mulher Ártemis- mulher caçadora – vai à caça de novas oportunidades, não é aquela que fica esperando pra ver o que acontece, se identifica um problema vai logo atrás das soluções, tem iniciativa, é pró-ativa. Não espera que a mandem fazer, ela se levanta da cadeira, vai lá e faz. É objetiva, nada faz ela se distrair de sua meta, assertiva e auto-confiante. Acerta o alvo com seu arco e flecha. Tem a dose certa de agressividade necessária para firmeza nos seus direcionamentos. Sabe dizer não e traçar seus limites. Tem conexão com a natureza, o instinto necessário à sobrevivência, pé na terra e atitudes ecologicamente saudáveis.

Mulher Hera – mulher social – Fazer alianças é o seu dom. Cúmplice, sabe recepcionar e fazer as pessoas se sentirem bem, Seu olhar é perante o coletivo e o social. Sabe se colocar, se vestir segundo a ocasião, se comunicar, chamar a atenção para si, ser porta-voz. Gosta de ganhar dinheiro, é ambiciosa, deseja sempre o que existe de bom e de melhor, principalmente sua coroa. É rainha nos relacionamentos de parceria.

Mulher Atena – mulher intelectual – diálogo e escuta é com ela mesma. Saber ouvir é um talento cada vez mais escasso, pois normalmente se ouve já pensando o que vai se dizer em seguida, perdendo parte da comunicação. A escuta sem julgamentos ou preconceitos é a verdadeira arte da comunicação. O diálogo é feito do livre fluir de significados entre duas ou mais pessoas. Utilizando-se da melhor qualidade que a razão pode dar, o pensamento em conjunto pode alavancar idéias inovadoras e projetos criativos de autoria coletiva. Sabe cortar com sua espada aquilo que não está sendo produtivo ou atravancando a execução dos projetos. Esta mulher procura estar sempre evoluindo, estudando se aperfeiçoando em seus conhecimentos. Uma mulher de extrema inteligência também precisa saber comunicar suas idéias e se o momento é o certo e as pessoas são as adequadas para dividir suas idéias.

Mulher-Afrodite – mulher criativa – adora um palco pois sabe se expressar. É uma artista nata e tem muitas idéias criativas. Sabe envolver e conquistar os clientes, trazendo a beleza nos momentos mais difíceis. Sabe criar um clima amistoso e agradável, até quando cliente nao tem razão. Sua empatia vem de sua talentosa habilidade de se relacionar primeiramente consigo mesma, sempre se olhando (espelho) para melhor saber onde pode melhorar, cuidando de sua auto-estima e depois percebendo o outro na sua sensibilidade de encontrar o que o agrada.

Mulher-Deméter – mulher cuidadora – Cuida bem de todos e de dos detalhes. É atenta ao clima emocional da equipe, como uma mãe, sabe amparar ou dar críticas construtivos. Considera seus projetos como filhos e vai dar toda sua energia vital até partejá-lo. Sua vontade é visceral, entende os ciclos da vida, tem visão de longo prazo e compreende que só vai colher o que plantar.

Mulher-Perséfone – mulher intuitiva – Ótima para criar visões de futuro, planejar, criar possíveis cenários futuros e intuir. Não pergunte a ela como chegou a tal conclusão, confie que seu sexto sentido lhe dirá o caminho a tomar. Ela pode se passar despercebida, mas na hora certa virá como uma luz, enxergando aonde outros não conseguiram vislumbrar. Sincronicidades são comuns perto dela, e pode até mesmo captar telepaticamente, um pensamento do cliente ou do colega de trabalho, podendo se antecipar ‘as demandas e sair na frente.

Mulher-héstia – mulher sábia – Esta já está lá no topo. Sabe principalmente o momento certo de silenciar. Tem as soluções para quase todos os problemas pois conquistou através da experiência um conhecimento vivido. Se já não tiver se aposentado, ela vai ser uma guia orientando, treinando as que estão chegando agora. O equilíbrio emanado e a harmonia em sua volta, transmitem a segurança de uma mulher que sabe de si e confia que exerce bem sua missão no mundo.

Centros de energias ou chackras


Olá queridas amigas,
Estamos estudando/vivenciando no grupo de estudos do sagrado feminino os chackras e os aspectos do sagrado feminino que precisamos trabalhar.
Então compartilho com todas, um texto que escrevi há um tempo atrás que tem um resuminho dos centros de energias.
Tem mais textos meus no blog: http://silviarenatarocha.blogspot.com/2009/05/o-olimpo-nas-empresas-as-deusas-vao.html
São sobre psicologia,
espero que curtam,
beijos
Ssilvia



Motivação e Energia Vital
Auto-Motivação ou
a Arte de conduzir a Energia Vital


Produzimos energia vital constantemente. Apesar disto, dependendo de como cuidamos de nós mesmos podemos estar perdendo ou ganhando energia. A estagnação de energia causada pela falta de motivação leva a depressão. Este conceito sobre energia para os ocidentais é bastante novo, o que leva as pessoas em geral a descuidar desta enorme fonte de vitalidade e saúde.
O que faz a energia estar sempre circulando são atitudes básicas como respirar corretamente, fazer exercícios conscientes, expressar corretamente as emoções, pegar sol, estar atento aos pensamentos. Estes últimos também geram energia e dependendo da qualidade do pensamento será a qualidade da energia.
Temos sete principais centros no nosso corpo por onde a energia vital circula, são centros inteligentes de energia ou chakras, na linguagem oriental:

Centro Básico ou raiz – c1
Ou Muladhara chackra
(períneo, pernas e pés)
base, sobrevivência, realização, concretização, contato com a terra

Centro Lombo-sacro – c2
Ou Svadisthanna
(três dedos abaixo do umbigo e pela lombar e osso sacro)
Movimento, impulso, ação, sexualidade, vitalidade

Centro Vegetativo – c3
Ou Manipura chakra
(na altura do estômago)
discernimento, o que entra e o que sai, emoções de preservação da espécie (raiva, medo, tristeza, alegria), identidade e ego

Centro Cardíaco – c4
Ou Anahata chakra
(na altura do coração, peito, braços e mãos)
o que une, o amor, sentido da vida

Centro Laríngeo – c5
Ou Vishuddha chakra (garganta)
expressão, intelecto, comunicação

Centro Frontal – c6
Ou Ajana chakra (entre as sombrancelhas) visualização, imaginação, foco, direcionamento, visão do que eu quero

Centro Coronário – c7
Ou Sahashara chakra (topo da cabeça) contato com o todo, com o céu, com a missão.


O contato com o Todo (c7) faz ter inspirações de missão e objetivo de vida, levando a uma visão futura (c6) do que se pretende realizar. A expressão (c5) disto no mundo vai ser fortalecida se o caminho tem um coração (c4). O discernimento do caminho (c3) vai facilitar a ação concreta (c2) e a realização deste no mundo (c1).
Há algumas pessoas preocupadas demais com a sobrevivência e esquecendo de se perguntar qual o sentido de sua existência. Há pessoas muito espiritualizadas e com um entendimento amplo de suas vidas, mas com dificuldades de materializar seus sonhos. E outros, com coração guiando suas vidas mas sem compreensão do caminho.
A criança tem maior fluidez de energia em todos os centros. A harmonia e a saúde estão mais presentes. De que você brincava quando era criança? O trabalho para o adulto pode ser igual ao brinquedo para a criança. Se você usa seus talentos, potenciais e habilidades no seu trabalho seu ser inteiro está envolvido com os resultados. Há maior presença e também emoção naquilo que você faz. O que faz você se mover?
Sua saúde física e emocional depende desta circulação de energia. Se você está bem, sua vida vai estar boa. Então a pesquisa é para dentro. O olhar interno conseguido através da meditação, introspecção e do sentir sua energia vital vai fazer você saber para onde direcioná-la. O poder escolher o que você quer para você, vem quando você tem auto-domínio e se apropria assumindo quem você é.
Auto- motivação é um dos pilares da inteligência emocional. Poder gerir seus estados internos é uma inteligência que leva a sair do estado de vítima dos acontecimentos a um estado mais ativo e responsável no mundo. Sua vida está como você a criou neste exato momento. Se não está satisfeito, mude agora. Se sente dificuldades de fazê-lo, peça ajuda! Saiba aproveitar sua energia!
Sílvia Rocha (abril de 2004)

--

O Corvo e a Magia



Que presentão Beth Bear,
muito obrigada
compartilho,
beijos
Sílvia (Raven Star woman - Turtle clan)


Esta msgm segue de presente para a minha querida Silvia!
Bjs
Beth Bear



o
Trata-se de uma religião primitiva dos povos uralo-altaicos do Norte da Ásia e da Europa, caracterizada pela crença em um mundo invisível de deuses, demônios e espíritos ancestrais, que podem ser influenciados apenas pelos xamãs. Praticada também por certos índios norte-americanos e caracterizadas pelo transe medianímico. Nesta doutrina o corvo é visto como um ser sobrenatural.











O Corvo e a Magia



O corvo sempre foi o portador da magia. Este seu papel foi reconhecido nas mais diversas culturas, ao longo dos tempos, em todo o planeta. É considerado sagrado honrar o Corvo como sendo portador da magia. Se esta magia for ruim, ela inspirará muito mais medo do que respeito. Aqueles que trabalham com a magia de forma errada têm razões para temer o Corvo, pois isto é sinal de que estão se imiscuindo em áreas que não dominam, e os feitiços que estão fazendo certamente acabarão retornando contra eles. Em vez de deplorar o lado negro da magia, conscientize-se de que você só irá temer o Corvo quando necessitar aprender algo sobre os seus temores secretos ou sobre os demônios criados por sua própria imaginação.

A magia do corvo é poderosa e pode lhe infundir a coragem necessária para penetrar nas trevas do vazio no qual residem todos os seres que ainda não tem forma definida. O Vazio é denominado "Grande Mistério". O Grande Mistério já existia antes que todas as coisas viessem a existir. O Grande Espírito é oriundo do Grande Mistério e vive no Vazio. O Corvo é o mensageiro do Vazio.

O Corvo é prenúncio de mudança de consciência, que pode, inclusive, significar uma viagem pelo Grande Mistério ou por alguma senda situada à margem do tempo. A cor do Corvo é a cor do Vazio - o buraco negro do espaço sideral que congrega todas as energias criadoras. Significa que você conquistou por seus próprios méritos o direito de vislumbrar um pouco mais da magia da vida.

Na cultura dos índios norte-americanos, a cor preta tem diversos significados, mas não simboliza o mal. O preto pode simbolizar, por exemplo, a busca de respostas, o Vazio, ou o caminho para as dimensões suprafísicas.

O Corvo é o mensageiro da magia cerimonial e um curador que opera à distância e que está sempre presente em qualquer Roda de Cura. É ele que conduz o fluxo de energia de uma cerimônia mágica, guiando-a até o seu objetivo final. Seu papel é o de interligar as mentes dos praticantes do ritual com as mentes daqueles que estão necessitando daquele trabalho.

A magia do Corvo não pode ser interpretada de forma racional porque é a magia do desconhecido em ação, preparando a chegada de algum acontecimento muito especial. O Corvo é o protetor dos sinais de fumaça e das mensagens espirituais representadas por ele.



Jamie Sams, de As Cartas Xamânicas -

A descoberta do poder através da energia dos animais, Ed. Rocco





Corvo - O Negociador
23 de setembro - 23 de outubro

Totem Animal - Corvo



O totem animal para os nascido na Lua do Vôo dos Patos é o Corvo. Corvos às vezes são agressivos, mas freqüentemente cautelosos. Eles são pássaros inteligentes que sabem como derrubar um molusco do ar sem quebrar a concha e pegar a carne que há dentro dele. Os Corvos defendem com ferocidade seu território e família. Os ciganos admiram os Corvos pela lealdade que estes demonstram para seu povo. Dizem que estes pássaros têm conselhos tribais, e se você alguma vez viu um bando pousado em alguma cerca ou galho, certamente eles estão em conferência falando entre si. Diz a lenda, que se estes pássaros vão contra as leis da tribo, eles cometerão suicídio caindo de um lugar alto.
Para os Nativos Americanos, Corvos são representados como os pássaros do equilíbrio entre o homem e natureza. Quase todas tribos têm uma lenda sobre o Corvo explicando por que ele é preto. Em todas lendas o Corvo começa como um pássaro branco cuja cor foi mudada como um castigo pelos seus atos malignos ou por ter feito um esforço para ajudar o homem, tentando apagar um fogo que ameaçava estas pessoas. Esta dualidade nas lendas ilustra a dualidade que os Nativos Americanos sentem sobre o Corvo. Para uns, ver o Corvo é um presságio ruim; para outros, é bom.
Como o Corvo, as pessoas deste totem são capazes de voar para lá e para cá até atingir um lugar onde elas possam absorver a energia da Mãe Terra. Elas são pessoas que se sentem confortáveis tanto na Terra como no Céu. Podem voar uma grande distância e ao sentirem-se cansados elas podem planar tranqüilamente, dependendo do estado de equilíbrio que elas alcançaram. O estado de equilíbrio é crucial para as Pessoas do signo do Corvo, porque, tal como o Pássaro Trovão, elas são capazes de voar de uma posição a outra.
O totem do Corvo é paradoxal, porque as pessoas do signo do Corvo exemplificam os paradoxos da vida nas suas próprias emoções. Por serem capazes de voar alto, elas podem ver o bem e o mal de qualquer ponto de vista, e buscar a harmonia perfeita para seus problemas. Tal como o seu pássaro, elas são cautelosas, e com boa razão, pois provavelmente elas foram feridas ao serem crédulos no passado. Elas saberão fugir de uma situação a qualquer sinal de perigo. Elas são pessoas inteligentes, capazes de aprender com suas visões e idéias.
Elas tendem a ser orientadoras. Elas estão contentes quando estão com um grupo de pessoas que compartilham suas idéias, e se sentem muito seguras neste ambiente. Tal como o Corvo, elas demonstram um espírito de defesa agressivo quando atacam seu grupo e território. Se elas sentem que esses que elas amam são ameaçados, os defenderão contra qualquer coisa, não importando seu tamanho ou força.





Bruxaria Eclética - Sarah Crow

Círculo da Lua Nova de Março - iniciação das guardiães



Círculo da Lua Nova

Espiritualidade Feminina
Xamanismo

“Somos mulheres que honram o Sagrado Feminino, ritualizando os ciclos da natureza,
vivendo os mitos, através de danças, cantos, oráculos, compartilhares e trabalhos de cura,
assim como faziam nossas ancestrais nativas na Tenda da Lua.
Nosso círculo acontece numa casa construída em harmonia com a natureza, com a floresta da tijuca nos abraçando.
Fazemos fogueira em espaço aberto ou nos reunimos no interior da casa quando chove.
Se você sente este chamado Seja Bem Vinda!” - Sílvia Rocha

--------------------------------------------------------------------------------


13 de março (sábado)
de 18 às 21 horas

Tema: Agradecendo a plenitude da vida
através do ritual dos 4 elementos
(e iniciação das guardiães)




"Só precisamos dos 4 elementos
para viver bem,
a terra com seus frutos nos dá o sustento
a água purifica por dentro e por fora
o ar nos dá a respiração
o fogo, a luz e o espírito

No momento estamos vivendo
um grande desequilíbrio
as terras, terremotos
as águas, tsunamis
o ar, poluído
o fogo, disparado,

equilibrando os 4 elementos dentro de nós,
podemos reverberar esta harmonia fora de nós
pois somos extensões da Grande Mãe Terra
Vamos nos reunir para um ritual de cura
por nós e pelo planeta
conectadas com a Deusa"
- Sílvia Rocha

Levar:

para criar seu altar pessoal para o ritual:
uma canga ou tecido para forrar o chão do seu altar
vela
cálice ou copo
incenso ou ervas
pedras ou flores
o que mais você intuir

para a ceia:
frutas e lanche

Para contribuição:
20,00

Ir de saia

Coordenação:
Sílvia Rocha
Psicóloga Transpessoal (crp.05/21756), pós graduada em Psicologia Junguiana (IBMR),
percorre o caminho vermelho há 10 anos, tendo sido iniciada na tradição Huni Kuin como Ayani Makuani do Banu Bakê
e na tradição Odjibway como Mulher da Estrela Corvo (Raven Star Woman) do Clã da tartaruga.
Há cinco anos e meio coordenando o círculo da lua nova!



Contato: psi.silviarocha@terra.com.br

Nosso Blog: http://www.circulodaluanova.blogspot.com/

Se você precisar de carona para subir o Alto da Boa Vista,
entre em contato com

--------------------------------------------------------------------------------


Local: Centro de Estudos Xamânicos

Rua Comendador Gervásio Seabra, 140

Alto da Boa Vista - RJ


--

sobre o círculo de fevereiro com Kelly van Raalte

"55 mulheres em círculo
esperando anciã sábia
cantando mulher forte
o fogo acende sozinho
Mulher da Rocha Branca
é recebida por Ísis
e demais guardiães
Ela nos ensina que a natureza é um grande oráculo
quando nos atemos às sincronicidades
a leitura de pedras nos traz as mensagens
a dança circular harmoniza e sincroniza o universo
Kelly se admira com o círculo, semente que ela mesma inspirou
continuamos cuidando do círculo sagrado feminino
que você nos orientou,
agradecemos a toda natureza, à lua crescente
e as estrelas que testemunhavam
sigamos fortes e bonitas
com amor no coração"

--

A Preciosidade da Energia Feminina




A Preciosidade da Energia Feminina
Maria Madalena e as Vozes da Deusa através de Suzanne Gould



Boa tarde, filhos do meu coração. Todos vocês são estimados por mim, preciosos além das palavras. Eu sou Maria Madalena. O que vocês desejam saber de mim? Vocês conhecem a minha herança? Um segredo na escuridão, isto é o que eu tenho sido por eons – a madona negra. Minha imagem foi dissimulada, difamada como parte da grandiosa ilusão. A Igreja Romana me chamou de prostituta, meretriz, a pervertida penitente. Mas de algum modo o meu legado foi mantido vivo... escondido. Agora eu retornei à luz. Meu nome não é novo. Mas agora estou dando informações! Eu sou representada em livros, filmes, programas de televisão – como os tempos mudaram! Meu verdadeiro poder tem sido revelado, assim falando. Eu estou exposta.

Eu estou aqui para lhes dizer como a energia feminina é preciosa e quanto a voz feminina precisa ser ouvida neste momento. Mulheres – como portadoras das sementes de sua linhagem, vocês são da máxima importância. E vocês sabiam que o seu sangue e os fluídos do seu corpo são especialmente codificados? E as vozes da Deusa – virgem, mãe, idosa – estão se lamentando, se lamentando, se lamentando, sentindo a destruição da Terra. Vocês podem ter notado a quantidade extraordinária de chuva ultimamente e que os oceanos têm se desequilibrado. Os fluidos da Terra estão perturbados.

O Poder das Mulheres

Observem o que aconteceu às mulheres neste momento na história humana. As mulheres assumiram por algum tempo o papel tanto do masculino quanto do feminino. A energia feminina quer resplandecer no mundo, mas há ainda há estimulação a ser feita! As energias masculinas precisam fazer parte do equilíbrio. As mulheres usam muitos chapéus; freqüentemente elas são mulheres de carreira, esposas, mães, cozinheiras e donas de casa, todas em uma. Isto pode se tornar opressivo. Muitos – os médicos com os seus hormônios sintéticos, os políticos com as suas agendas exaustivas e inoportunas – não estão compreendendo as necessidades das mulheres.

As mulheres são intrinsecamente fortes, elas vêem o que precisa ser atendido e elas o fazem. Algumas argumentariam que elas são muito mais firmes na longa jornada do que os homens da espécie, capazes de executar várias atividades ao mesmo tempo, muito mais adaptáveis, intrinsecamente envolvidas pela cooperação ao invés da competição. E estes traços não são extremamente necessários no século vinte e um?

A questão para a mulher moderna é: “Eu posso ser única e eu mesma enquanto ainda trago a essência do que é feminino?” Por que vocês acham que tantos estão interessados em minha verdadeira natureza neste momento? Talvez a minha súbita revelação seja apenas um reflexo do que as mulheres estão finalmente se questionando: “Qual é a minha verdadeira imagem? Como eu quero ser vista no mundo? Os outros me vêem por quem eu verdadeiramente sou, ou eles vêem somente o que eles querem que eu seja – dócil, subserviente? Eu sou atraída pelo que os outros esperam de mim? Eu permito que os outros me vejam bem menos do que eu sou destinada a ser?”

Eu, Maria Madalena, levo a intenção de iluminar o divino, o poder sagrado do feminino. Eu encarnei nesta existência em particular, com o compromisso, a paixão e a excitação pela minha jornada, pela minha participação no drama divino. Nesta existência, eu fui sábia, sacerdotisa, amante, mãe, mística. Eu era algo como uma agitadora, e os homens deste tempo não sabiam o que fazer comigo. E, entretanto, eu não estava preocupada com o que os outros pensavam de mim, contanto que eu realizasse a minha missão. As pessoas sempre tiveram uma forte opinião sobre mim, de um modo ou de outro. Parece que eu trago opiniões extremas com a minha energia. Bem, eu sempre fui uma apaixonada.

A minha energia é magenta (cor carmesim brilhante), intensa, plena e vigorosa. Chamem-me e deixem que este campo de energia os envolva e os circunde. Eu quero revigorar a sua vida e trazer paixão a ela. Eu quero agitar o seu coração ao seu mais intenso chamado. O que faz você ser unicamente você?

Lembrem-se de Quem Vocês São

Eu quero ouvir o seu chamado. Muitos estão despertando agora, olhando para as suas vidas de um modo estimulante e dizendo: “Basta!” Subitamente elas estão observando o que está diante dos seus narizes e dizendo: “Não mais!” As pessoas estão desistindo dos empregos, abandonando os casamentos, mudando-se para longe, elas sentem o chamado. É um chamado intensamente pessoal, e ressonante e este é muito familiar. É o verdadeiro chamado de nossa própria alma. Vocês não podem negá-lo, pois ele é parte de vocês. Entretanto quanto tempo vocês têm se negado? Não eliminem a parte vital de sua própria paixão. Ao contrário, tenham a coragem de viver a sua própria verdade e de se expressarem em sua própria voz.

Se vocês segurassem a mão de todos e de cada ser no mundo, o que sentiriam? A vibração, o sangue da vida, o fio comum que bate e percorre todas as suas veias. E é isto o que os une em vitalidade. O seu sangue é mais precioso do que vocês pensam. Ele está codificado com a memória, não apenas da linhagem da sua família, mas de sua linhagem estelar. Quem são vocês? De onde pensam que surgem? Por que a sua fascinação com as estrelas e o seu impulso em alcançá-las? Lembrem-se, lembrem-se, lembrem-se quem são vocês? Uma vez que eu fui escondida nas névoas da história – e percebam que alguns a chamam de sua história e não da história dela – que é sempre escrita pelos vencedores. Agora, na verdade, eu sou re-lembrada. Re-membrada. Meus pedaços se uniram novamente, e eu me tornei íntegra. É o momento para o início do grande equilíbrio, da grande equalização. Foi o tempo do patriarcado por tempo suficiente. O feminino não surge. Ela se expande. Ela fui e reflui; ela espera e ela recebe. Imaginem que vocês sejam uma caverna que se abre para receber o mar. Secreto e profundo, quando o mar recua, vocês podem entrar, e quando o mar se eleva novamente, vocês estão cheios de água e escondidos. O feminino divino, o grande mistério: profundo como a caverna, mas mais, mais e mais repleta de significado. As Vozes da Deus se lamentam e aguardam. Elas querem ser ouvidas.

As Vozes da Deusa se Expressam

Eu sou o ventre da terra. Eu sou os sulcos dos campos. Eu sou a cúspide da lua. Eu sou as gotinhas da chuva. Eu sou as ondas do oceano. Eu venho com os feixes do trigo para alimentá-los, com cestas de frutas para abençoar a sua mesa e com água transparente e fresca para saciar a sua sede. Eu sou a essência generosa da vida. Eu sou a condutora das crianças, não para matarem e serem assassinadas, mas para apoiarem a vida, plantarem sementes, produzirem colheitas, nutrirem a vida. Ah, amor, amor, amor do meu coração, sejam verdadeiros comigo. Sejam verdadeiros com a Terra. Não sejam mais um seguidor dos caminhos insensatos. Corram ao vento comigo em seu cavalo selvagem. Deixem o seu cabelo fluir livremente. Encontrem o seu centro. Sintam a força que pulsa deste ponto. O centro é o ponto focal do padrão, como a tecelagem de uma rede de aranhas ou o lançamento do seixo que agita o lago. Comecem no centro e realizem o seu caminho para fora. Mas se vocês se distanciarem muito do centro, ficarão perdidos e preocupados em não poderem encontrar o seu retorno. Eu estou aqui para ser sentida por todos vocês. Eu sou uma força silenciosa. Eu estou implícita no silêncio, nas sombras. Vocês podem ter dificuldade em ouvir a minha voz, desde que o bramido do homem tem me subjugado muito. Mas eu ainda estou aqui. Voltem ao lugar mais simples, ao silêncio, à paz. É lá que vocês ouvirão a minha voz, sentirão o meu batimento cardíaco. Comecem pelo início.

Vocês estão complicando demais o seu mundo. A tecnologia desenvolve a tecnologia, e, entretanto, as coisas estão se afastando mais e mais da essência da vida. Vocês estão mais felizes? Estão mais satisfeitos? Vocês têm água pura para beber? Seus filhos estão mais saudáveis? Vocês têm ar mais puro para respirar? A sua vida está mais satisfatória? Vocês dormem mais sadiamente à noite? Seus animais sabem que a vibração da Terra está mudando. Todas as espécies estão mudando os seus padrões, mudando-se para lugares diferentes, desaparecendo completamente. O que levará a despertá-los? Eu estou ainda aqui. Esperando ainda. Esperando ainda. O Céu e a Terra devem se alinhar de um modo equilibrado – masculino e feminino, acima e abaixo. A minha mensagem é para a união e a harmonia. Não é muito tarde.

Maria Madalena Fala

Não foi sempre assim no planeta. Aquele conhecido como Jesus, o Cristo e eu reunimos o perfeito equilíbrio da energia masculina e feminina, tanto dentro de nós mesmos, como indivíduos e como complementos divinos. Este desequilíbrio das energias no momento presente não é a ordem natural, e nós confiamos que não será o modo do futuro. Eu lhes ofereço hoje a esperança que vocês podem ficar na verdade de quem vocês são e lutarem pelo equilíbrio. E como a minha identidade esteve por tanto tempo escondida, eu lhes darei uma palavra hoje sobre o véu que é colocado sobre o seu mundo. Há uma grande ilusão que lhes está sendo oferecida por aqueles que mantêm o poder em seu mundo.

A Grande Ilusão

É parte da grande ilusão que as mulheres têm menos valor do que os homens, mais fracas, mais frágeis, incapazes de estarem em posições de poder no mundo. Não é assim! Uma vez, grandes culturas da deusa matrilinear governaram a Terra. É parte da grande ilusão que a natureza é simplista e inútil e que vocês devem voltar às substâncias artificiais para a alimentação e a medicina. Não é assim! Pois a natureza mantém a chave para a saúde e a riqueza e ela está sendo destruída pela ganância da humanidade. É parte da grande ilusão que a sexualidade é um pecado e é insegura. Não é assim! Pois é a paixão que desperta o coração e a alma e é verdadeiramente uma dança sagrada. É parte da grande ilusão que vocês devem ser parte do tempo linear/relógio, seguirem uma escala artificial que a sociedade dita. Não é assim! Pois é mais natural seguir os próprios ritmos do seu corpo, moverem-se com o nascer e o pôr-do-sol e com a mudança das estações. É parte da grande ilusão que vocês vivem somente uma vez. Não é assim! Pois vocês fazem parte de um grande ciclo de reencarnações e, além disto, parte de uma grande dança cósmica que continua sempre, infinitamente. É parte da grande ilusão que vocês devem ter um mediador sacerdotal em seu caminho para Deus/Deusa. Não é assim! Pois todos vocês ouvirão, sentirão e viverão nesta energia divina a cada momento de cada dia, se tiverem a coragem de serem ela.

Vocês querem perpetuar a grande ilusão? Ou querem viver no centro de sua própria verdade? Masculino e feminino, cada um deve escolher. É o momento para que os homens de nosso planeta incorporem o seu lado feminino, como as mulheres já incorporaram o masculino. Isto criará um equilíbrio sagrado. O feminino divino deve ser honrado. Os aspectos da Deusa não exigem adoração; eles pedem somente que as suas vozes sejam ouvidas. Mulheres, assumindo o seu próprio poder, devem fazer com que as suas energias e a sua presença sejam conhecidos no mundo. Elas devem ensinar os modos do feminino divino aos homens do planeta, não compartilhá-los apenas entre outras mulheres. Elas devem fazer a sua marca sem vestir o manto do poder masculino, formando um caminho que inclua a cooperação e o cuidado entre todos os sexos, raças e espécies. Eu sou, em amor e serviço a vocês,

Maria Madalena.

Tradução: Regina Drumond reginamadrumond@yahoo.com.br

Fonte Original em Português: http://www.novasenergias.net/suzannegold/preciousnesfemalenergy.html
http://www.novasenergias.net

Direitos Autorais Suzanne Gold. Todos os Direitos Reservados



=========================================

Iranianas removendo véus

Olá meninas e meninos,
> Olá povo da paz,
> Olá gente do bem,
>
> Algumas vezes temos o privilégio de presenciar um grande e portentoso
> movimento que muda a história. Dia 08 de março, Dia Internacional da Mulher,
> as iranianas vão remover o véu como um manifesto de seu direito à liberdade
> e à dignidade.
>
> Este é um ato certamente heróico e a única proteção que lhes caberá é a
> opinião da comunidade internacional no apoio ao seu direito, para que elas
> não sejam vítimas de retaliação por seu gesto. O movimento é pacífico e tem
> como finalidade despertar o mundo para o cuidado com todas as mulheres que
> ainda vivem sob o jugo da opressão.
>
> Mais do que testumunhas, podemos ser agentes dessa transformação.
> Basta enviar sua mensagem para iranianalivre@gmail.com para que elas sintam
> a força, o apoio e o sustento espiritual necessário para realizar esse ato
> que vai beneficiar a toda uma dinastia de mulheres, assim como outras já o
> fizeram por nós no passado.
>
> É tempo de levantarmos os véus da ignorância, da opressão e da violência que
> recaem sobre a sociedade humana, pois só assim seremos capazes de habitar o
> mundo pacífico, justo e próspero que almejamos.
>
> Reforço o pedido com o tema que me inspirou na gestão da BPW - Associação de
> Mulheres de Negócios - durante minha presidência:
>
> Sozinhas podemos pouco.
> Juntas podemos muito.
> Mas, unidas podemos tudo!
>
> Contamos com sua mensagem para disseminar nas redes internacionais.
>
> Dulce Magalhães
> "Que eu aprenda a amar e me permita ser amada, para que possa ver em cada
> ser um companheiro de vida e encontrar em meu companheiro um portal para
> amar a todos os seres."
>
>



--
SILÊNCIO, PAZ, LUZ Y AMOR
Mark Prem Nityo Zyngier

Por que as bruxas adoram rir?



Dá-lhe coiote! E viva Babayaga!
Beijos
Liz



Porque será que as bruxas adoram rir?




segue textos....




O hábito de rir ultrapassa os limites da alegria, auxilia pessoas que apresentam quadros depressivos e síndrome do pânico. Segundo pesquisadores, a risada expande as artérias e o estresse mental as contrai.

Liberação do ar, contração do diafragma e estímulo das cordas vocais são resultados sentidos em todo o corpo, depois de uma boa risada. Vários estímulos são percebidos ao rir, e estes percorrem por todo o cérebro, essencialmente a parte do comportamento que está ligada a região frontal do mesmo, estimulando assim as áreas motoras da face e de outras partes do corpo. A melhoria do equilíbrio da neurotransmissão é favorecida através da liberação de endorfinas. A risada pode elevar o astral, a auto-estima e o amor próprio das pessoas.

A pessoa bem humorada encontra respostas criativas, quando o lado direito do cérebro é estimulado, ele consequentemente desperta a intuição, o sentimento, a percepção e a sensação.

Patrícia Lopes
Equipe Brasil Escola

Estudos revelam que rir é um óptimo remédio para o coração: Assistir a uma boa comédia pode ser uma prescrição médica.



Parece que assistir a comédias faz melhorar a função circulatória, isso explica a afirmação popular: “uma boa gargalhada faz bem à saúde”. Parece realmente trazer numerosos benefícios para o organismo.

Mas o contrário também é verdade, quando se assiste filmes com cenas perturbadoras, a função circulatória parece alterar-se, mostrando que o stress mental pode criar uma instabilidade no organismo.

É um “tratamento” fácil de seguir, económico e sem contra-indicações, é algo que devemos fazer todos os dias, segundo o Dr. Michael Miller, da Universidade de Maryland, em Baltimore. “Dê umas boas gargalhadas todos os dias,” diz ele. “Eu penso que é bom para si.”

Num estudo realizado pelo Dr. Miller, foi medida a capacidade de dilatação da artéria braquial de 20 voluntários saudáveis e não fumadores, antes dos testes para servir de medida de referência. Utilizando uma braçadeira para apertar a artéria do braço, após soltá-la, mediram a capacidade de dilatação da artéria. “Uma veia saudável se dilata mais”, afirma o Dr. Miller. Assim, “os vasos sanguíneos saudáveis estão menos sujeitos a formar coágulos. Se as pessoas têm uma saúde endotelial (camada celular que reveste o interior dos vasos sanguíneos) fraca, tem mais possibilidade de sofrer de problemas do coração”, acrescenta Miller.

A seguir, os pesquisadores pediram para os participantes assistirem ao filme “Resgate do Soldado Ryan” e depois à comédia “King Pin”, e repetiram o teste após cada filme

Depois de visionarem o “Resgate do Soldado Ryan” – que faz as pessoas sentirem-se stressadas – verificou-se que as veias dos participantes se dilatavam menos do que a medida de referência. Mas depois de assistir à comédia “King Pin”, aconteceu o oposto – as suas veias dilatavam-se mais do que a medida de referência.

Quando o nosso corpo está sob stress, nós produzimos hormonas que podem causar alterações no endotélio. O endotélio tem um efeito pontenciador do tónus dos vasos regulando assim o fluxo sanguíneo. Segrega químicos que ajustam a coagulação e a consistência do sangue, e outras substâncias como resposta a ferimentos, irritações ou infecções. Também possui um papel importante no desenvolvimento de doenças cardiovasculares. Pesquisas recentes sugerem que os efeitos do stress duram cerca de 45 minutos, mas se o stress é forte e contínuo, pode alterar permanentemente a pressão arterial, afirma Dr. Miller.

Dr. Michael Miller e seus colegas apresentaram seus estudos, durante um encontro na American College of Cardiology, em Orlando, Flórida.

Um grupo de pesquisadores no Japão descobriu que pessoas com hipoglicémia, tinham uma ligeira subida na taxa de açúcar no sangue após a refeição, quando assistiam a uma comédia ou viam algum programa humorístico.

Outras pesquisas afirmam que, com apenas algumas boas gargalhadas, podemos reforçar o sistema imunitário e reduzir o stress.







--
"Somos uma continuação de nossas raízes, somos o tronco, deixaremos frutos, que serão novas raízes e novos troncos e futuros frutos." (Kaká Werá)
Liz Boggiss - BGSCom Assessoria de Imprensa
Tel (21) 3215-0833 / 9973-0833 / 7172-8833
http://bgscomunica.blogspot.com
http://culturalrio.wordpress.com
no twitter - @lizboggiss


--

O Benefício das Ervas

Compartilhando...
Bjs
Beth Bear


*O beneficio das ervas*

Os Gregos usavam ervas e óleos aromáticos nos rituais religiosos. Estavam
convencidos de que somente os deuses poderiam ter criado aromas tão
profundos e pensavam que os aromas naturais podiam ser uma ponte para
alcançar o Olimpo e receber as forças dos deuses, proteção, cura e beleza.
As tribos de Papua-Nova Guiné, na Oceania, aprenderam a usar as plantas como
remédio. Não somente para tirar a dor ou para desinfetar ferimentos, mas
também para baixar a febre e na prevenção contra a malária. As poções eram
feitas de plantas extraídas das florestas. Os farmacologistas franceses
ficaram impressionados e durante oito meses pesquisaram as drogas dos
curandeiros. No término de seus estudos descobriram que os vegetais
realmente curam. A *Piper claribracteatum* é uma *trepadeira* eficaz contra
a malária e a febre, além do seu efeito analgésico. A casca do tronco
da *árvore Euphorbiacea omphalea* é outro remédio natural usado para prevenir a
malária. Outro recurso natural é a *casca da Harpulia ramiflora radik*,
usada contra fungos.

"Na medicina indiana ayurvédica, a escolha das ervas varia de acordo com o
perfil de cada paciente. Mas, embora a indicação seja personalizada, há
algumas plantas que podem ser recomendadas para todos, como o *gengibre*.
Costumo receitá-lo para gripes, problemas digestivos e reumatismo.
*Hortelã*é excelente para gastrite, nervosismo, irritabilidade e dor
de cabeça. Recomendo o *chapéu-de-couro* no caso de edemas, mucosidades e reumatismo.

A *garcínia* tem o poder de controlar a vontade de comer doces e de reduzir
o apetite. Mais: algumas ervas têm o poder de curar. A *espinheira-santa* é
ótima para tratar gastrite e outros problemas do estômago. *Guaco* atua em
casos de bronquite e tosses.

O *cabelo de milho* é um excelente diurético, indicado na hipertensão
arterial e nos edemas. À noite, aconselho meus pacientes a evitarem as ervas
de efeito tônico, como *ginseng, marapuama e catuaba*, pois podem tirar o
sono. A folha do *Neem*, uma planta indiana e já aclimatada no Brasil, é um
ótimo purificador do sangue utilizado em doenças de pele, parasitoses,
reumatismo. Também é usada com sucesso no tratamento da obesidade. Já o *
dente-de-leão* é um grande depurativo, que promove a eliminação de toxinas
acumuladas no organismo.

O *Manjericão* favorece aos que têm digestão difícil, gazes, asia, dores de
cabeça em conseqüência de alimentação pesada ou inadequada. Facilita o
funcionamento dos intestinos, é diurético. Ë bom para tosses, vômitos, mau
hálito. Ajuda, junto com a *Malva* e a *sálvia* nas infecções de boca.Também
é ótimo para cistite. Age como pacificador. Ele transmuta a nossa energia
agressiva, transformando-a em vontade e força para brigar por coisas mais
importantes como metas e ideais. Ajuda a brigar pela vida e pelas coisas que
nós queremos. É ótima para os desorganizados e indisciplinados. Ajuda-nos a
ver o brilho e o perfume da vida.

*Chás*
**
Os chás podem ser preparados por *infusão* ou *cocção*:

- *Infusão*: Consiste em se despejar água fervente sobre a planta e depois
abafar por uns 15 minutos. Este processo é utilizado para flores, folhas e
também para ervas aromáticas, pois se as fervermos as essências poderão
volatilizar (perder-se pela ação do calor), causando a perda de sabor e
poder medicinal do chá.

- *Cocção*: Consiste em se cozinhar a planta. Este processo deve ser
restrito a raízes, cascas e sementes, ou seja, para as partes mais duras e
resistentes das plantas e a fervura pode variar de 3 a 15 minutos.

Os chás geralmente não precisam ser adoçados. Em alguns casos, porém,
pode-se usar o mel quando se quiser aproveitar suas propriedades medicinais
(gripes, tosses, etc), mas só devemos adoçar depois de coado, quando o chá
já estiver morno, nunca antes, pois o calor destrói o poder medicinal do
mel.

Nunca use um chá mais de 24 horas depois de preparado, pois ele entra em
processo de fermentação (mesmo mantido em geladeira). Prepare a quantidade
suficiente para um dia apenas.

Recomenda-se não usar o mesmo chá por tempo prolongado, pois o nosso
organismo responde cada vez menos ao tratamento. Use por um período de 30
dias e troque por outro tipo de chá, retomando o seu uso após algum tempo.

Outros usos:

Os chás, além de tomados, podem ser usados na forma de compressas, banhos,
gargarejos, inalações e lavagens.

- *Compressas:* Compressas de chá quente aliviam dores inflamatórias e
facilitam a resolução destas inflamações. Neste caso usam-se chás com
propriedades antiinflamatórias.
- *Banhos:* São os banhos de imersão. A água deve estar morna e o banho deve
durar uns 20 minutos. O banho pode ser repetido três vezes por semana
durante um mês. Após este período mudar a erva utilizada.
- *Gargarejos:* São recomendados para atuar na cavidade bucal e na
garganta. Pode-se colocar sal de cozinha depois de coado, pois este é
antiinflamatório e anti-séptico.
- *Inalações:* Específico para as vias respiratórias. Ferver o chá e colocar
um funil de papelão invertido sobre o recipiente, inalando o vapor.
- *Lavagens:* Normalmente intestinais e vaginais (corrimento).

Para combater os principais inimigos do processo de envelhecimento, aposto
na ação do *chá verde*. Ele tem substâncias que diminuem a oxidação das
células e, com isso, faz com que produzam menos radicais livres, retardando
o envelhecimento. Esse processo traz mais um benefício: facilita a
oxigenação do sangue - importante para manter as doenças à distância. Com os
radicais livres sob controle, o corpo também consegue absorver melhor os
nutrientes.

Para diminuir a ansiedade, *chás de maçã, boldo e hortelã*, que também
equilibram o funcionamento do fígado.

O chá de *alfavaca* é diurético, estimulante, sudorífico; prepara-se para
gargarejos nas dores de aftas; ajuda o estômago, os intestinos e elimina a
areia dos rins. Muito usada para banhos, emplastos e bafos contra
inflamações dos testículos, reumatismo, paralisias, pernas inchadas.

*Outra dica:* para evitar aquela fome depois das 16 horas, uma boa
alternativa é o chá de *carqueja*, rico em cromo. Esse mineral estimula o
cérebro a usar o açúcar já disponível no corpo e não requisitar mais doce.
Mas, para obter o efeito antiaçúcar, é melhor beber a infusão meia hora
antes das refeições. Quem não dorme bem pode usar uma combinação de *camomila
com hortelã e valeriana*. Além de garantir uma boa noite de sono, essa
mistura de ervas ajuda você a acordar bem disposta."

*Plantas Energéticas *

*Catuaba, Cipó-cravo e Marapuama*. Os nomes podem ser exóticos e realmente
têm a ver com as tribos indígenas do país. Estas três plantas nativas da
Flora do Brasil atuam como estimulantes físico e mental, e, em solo
brasileiro antes mesmo da colonização, ainda hoje são ideais para o
tratamento de males contemporâneos, como a fadiga causada pelo estresse,
velho conhecido de quem trabalha demais.

Reconhecidas e descritas há mais de 50 anos, as três plantas medicinais
associadas num composto resultam em poção quase mágica. Ele ajuda a aumentar
a freqüência cardíaca e respiratória. Com isso, o organismo fica mais
preparado para enfrentar o desgaste do dia-a-dia e funciona como uma dose de
coragem na hora da prática de atividades esportivas.

*Farmácia da natureza é mesmo um estoque e tanto de saúde*

A médica Patrícia Vieira Machado, especialista em Fitoterapia do laboratório
Flora Medicinal, no Rio de Janeiro, explica como cada erva age. “A Catuaba
(Anemopaegma mirandum ) é um tipo de arbusto originário da Amazônia. Além de
melhorar o processo digestivo, ela interfere nos impulsos nervosos motores
por causa de uma substância denominada iombina, que penetra com facilidade
no sistema nervoso central”, afirma a médica. E destaca outros efeitos
benéficos da planta: “Ela aumenta ainda a pressão arterial e a freqüência
cardíaca, melhorando a circulação sangüínea e intensificando a ação motora”.

De aroma agradável, semelhante ao *Cravo-da-índia*, o
*Cipó-cravo*(Tynnanthus fascicilatus) age também como tônico geral,
combatendo a
debilidade física e a fadiga muscular. De acordo com a Dra. Patrícia Vieira,
sua ação foi comprovada através de estudos laboratoriais, nos quais foram
identificados efeitos estimulantes da atividade motora e aumento da
freqüência respiratória. “Por isso, ele intensifica a oxigenação sangüínea,
melhorando os processos metabólicos, sobretudo durante a atividade física”,
diz.

*Velha conhecida dos índios brasileiros a Marapuama é tônico do corpo e do
desejo*

Utilizada pelos índios como excitante do sistema nervoso central e por sua
ação antidepressiva e afrodisíaca, a Marapuama (*Ptychopelatum olacoides*) é
uma árvore típica da região Amazônica. Única planta que teve seus efeitos
testados clinicamente em seres humanos, os resultados confirmaram sua
atuação como estimulante da libido. “Um estudo realizado com 262 homens, com
queixa de diminuição da libido, mostrou que 62% dos pacientes apresentaram
uma melhora significativa depois do tratamento.A Marapuama também é
recomendada para casos de stress, fadiga e perda de memória.

*O Alho é antigo...Muito antigo...*

Nos primórdios da nossa civilização já era usado pelo homem, tanto como
recurso culinário como recurso terapêutico. Gravações antiquíssimas nos
contam que o alho era usado como remédio por chineses, babilônios, gregos e
romanos muito antes do nascimento de Cristo. Na Sicília e em outros lugares
da Europa o alho cresce espontaneamente. Russos e búlgaros atribuíram ao
hábito de ingerir alho a causa principal de sua saúde e vitalidade. Durante
a Primeira Guerra Mundial as forças armadas britânicas usaram muito o alho
para impedir infeções. No Brasil o alho é muito conhecido e usado, tanto na
cozinha como na farmácia.

Seu nome botânico do *Alho* é *Allium Sativum L.*, e pertence à família
Liliaceae , e o bulbo é a parte utilizada.

A ação do alho como fitoterápico é expectorante, anti-séptica pulmonar,
analgésica, anti-inflamatória, anti-bacteriana, tônica, hipotensora,
vermífuga, hipoglicemiante, febrífuga, anti-plaquetária, anti-oxidante e
hipocolesterolemizante. Diminui a viscosidade sangüínea e é anti-helmíntico.
São muitas suas propriedades farmacológicas...
O *alecrim* é uma plantinha que ama o sol e o calor. Sendo assim, ele também
aquece e estimula o cérebro e o corpo. É muito eficaz no tratamento de
resfriados, sinusite, asma e outros problemas respiratórios. Por sua energia
ativa e energizante, é indicado no tratamento de anemia, menstruação
insuficiente e alivia problemas de retenção de líquidos e câimbras. Alivia
dores musculares, elimina toxinas e combate a acne, através da sua ação
adstringente.

No plano das emoções, o alecrim também traz muitos benefícios, através da
utilização de seu óleo essencial. Ele tem a capacidade de restituir a
energia do nosso plexo solar e revigora o sistema nervoso em casos de
excessiva atividade intelectual, o que normalmente gera desgaste físico e
emocional.

Pessoas muito letárgicas, que vivem cansadas, ou que têm atividades que
exigem demais da capacidade mental, devem usar uma gotinha do óleo no
aromatizador pessoal sempre que sentirem necessidade. É um grande protetor e
purificador energético. No fim do dia, depois de exaustivas jornadas de
trabalhos e compromissos, uma boa dica é fazer um escalda pés, com algumas
gotinhas de óleo de alecrim para nos fortalecer e limpar energias negativas.

É ótimo para ser usado também em ambientes de trabalho e estudo, pois
aumenta a capacidade de aprendizado, dá assertividade, foco, estimula a
criatividade, a memória, a concentração e proporciona mais clareza mental,
ajudando a organizar as ideias.
Em nível mais profundo, o alecrim fornece uma grande conexão espiritual com
as nossas capacidades e talentos, nos ajudando a expressar nosso melhor
potencial. Através do resgate da autoestima e da confiança, nos permite
estar no mundo de forma mais positiva, nos mantendo centrados em nosso eixo,
desconectados de toda a negatividade e preparados para o caminho, com todo o
suporte para encararmos qualquer desafio, conscientes de que somos
cocriadores da nossa vida, junto com o universo.

O óleo essencial de alecrim pode ser usado em aromatizadores, sprays e
misturado à água do banho ou do escalda pés. Se for utilizado na pele,
através de massagens, deve ser diluído sempre em óleo vegetal, pois, se
aplicado puro, pode causar irritações. Por ser muito estimulante, deve ser
usado com moderação! É contraindicado para gestantes e em casos de epilepsia
e pressão alta.

*FONTES -*


- *Juarez Callegaro, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul
(UFRGS), psiquiatra e especialista em medicina ortomolecular.*
-

*Alex Botsari, clínico geral e diretor do Instituto Brasileiro de Plantas
Medicinais.*
-

*Vanderlí Marchiori, nutricionista e fitoterapeuta, de São Paulo,
colaboradora da Associação Paulista de Nutrição.*
-

*Tamara Mazaracki, médica nutróloga do Rio de Janeiro, filiada à
Associação Brasileira de Nutrologia (Abran).*
-

*Aderson Moreira da Rocha, clínico geral e presidente da Associação
Brasileira de Ayurveda (Abra).*




--

Perfil da Bruxa



Enviado por Liz

PERFIL DA BRUXA
Desconheço a autoria

É difícil reconhecer uma bruxa somente pelo físico.

Algumas pessoas fazem questão de mostrar que são "bruxas":
aquelas que se vestem constantemente de preto,

utilizam uma corrente com pentáculo ou algum pingente de pedra,
outras tem cabelos compridos repartidos ao meio e unhas compridas,
às vezes pintadas de preto.

Mas nem sempre elas são o que dizem ser,
muitas vezes até porque não sabem como ser.

Ser bruxa não é utilizar um feitiço
quando as nossas possibilidades para resolver um problema estão esgotadas.
Não é também conhecendo os nomes das ervas e decorando as jogadas de tarô que nos tornamos bruxas.



Ser bruxa não é ainda manipular o mundo através de poderes sobre-humanos.
A autêntica bruxa mora no interior da pessoa.

E aquela mulher que aparenta ser o que é de verdade,

estando satisfeita com o que é e não se preocupando com a opinião alheia em demasiado.

A bruxa sempre traz em qualquer ambiente, um clima de força e alto astral.

Elas estão por todas as partes, destacando-se pela sua sensibilidade, beleza indescritível e energia contagiante.

Para a maioria das bruxas, o senso de humor é indispensável.

É sempre importante estar de bem com a vida, semeando força e alegria.

No instante em que nos tornamos bruxas, nos tornamos muito mais sensíveis, pois começamos a prestar atenção nas coisas que até então passaram despercebidas.

Quando uma bruxa entra numa floresta, por exemplo, sente toda a intensidade das vibrações das árvores e plantas, se emociona com o delicado desabrochar das flores, se deleita com o barulho das águas, se encanta com o canto e o movimento de qualquer pássaro ou animal.

A bruxa assume sempre o seu papel como mensageira e guardiã da Grande Mãe.

Ela não se gaba com uma criatura que possui poderes sobrenaturais, capaz de conseguir tudo num estalar de dedos.

A bruxa possui a consciência de que é alguém como qualquer outro,

assumindo a sua condição com simplicidade e naturalidade.

depoimento soobre o circulo no Blog da Mônica Alvarenga

Silvia,

Td bem? Gostei mto do Circulo de domingo. Escrevi no meu blog, e linkei o
seu.

http://realvalor.blogspot.com/2010/02/em-sintonia-com-as-mulheres-do-mundo-e.html

Bjs
Mônica Alvarenga
(21) 8702-4909 - (21) 2487-8138
twitter.com/monicaalvarenga
skipe: multipla15700
msn: mapf76@hotmail.com
Múltipla Comunicação e Marketing
www.multiplacomunica.com.br

terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

Tara Branca e Tara Verde



Enviado por Alice,

bjs

Sílvia







TARA

Até os primeiros anos da era cristã, o princípio masculino reinava, supremo e tranqüilo, tanto no budismo quanto no bramanismo. As divindades hindus, herdadas e assumidas pelo budismo, eram quase que exclusivamente masculinas. Os budas e bodhisattas, pertencentes ao budismo Mahayana em seus primórdios eram quase inteiramente masculinos.

As primeiras divindades femininas a aparecer no budismo Mahayana foram Tara e Prajnaparamita. Tara, a Salvadora, aparecendo no século II, representa a epifania da Grande Mãe cujo culto se estendeu, em tempos antigos, sobre o vasto território afro-egeu-asiático e sempre foi adorada pela camada pré-ariana da população da Índia.

Foi durante o primeiro milênio da era cristã, que os ensinamentos místico0ocultos do tantrismo se espalharam pela índia, obliterando muitas das diferenças entre o hinduísmo e o budismo. Muitas divindades hindus foram incluídas no panteão budista como bodhisattvas e dharmapalas (Defensores da Doutrina).

No posterior budismo tântrico, especialmente o Vjarayana (Caminho do Diamante), que sobreviveu apenas no Tibete, cada divindade masculina foi presenteada com uma parceira feminina, como no hinduísmo, mas os significados filosóficos são diferentes. No hinduísmo, a divindade feminina representa a parceira ativa, a shakti (poder ou energia), do Senhor Shiva, que sem ela teria permanecido no sono profundo do Absoluto. O budismo reverte esses papéis de acordo com a filosofia mística do Prajnaparamita (discursos do Buda). A divindade feminina não é shakti, mas prajna (sabedoria), que é identificada como "shunya" a Vacuidade. Prajna é o que concorda, o passivo, o contemplativo. Os Budas e as divindades masculinas são os parceiros ativos, simbolizando karma (compaixão) e upaya (método ou habilidades), as características fundamentais de um bodhisatta.

A união mística das dualidades do mundo e especialmente a união inseparável da sabedoria, o princípio feminino, e da compaixão, o princípio masculino, é vivamente simbolizada na arte e no ritual tibetanos, de forma mais forte talvez pelo vjara e pelo sino, e também pelo abraço sagrado das divindades, chamadas em tibetano de yab-yum (pai-mãe). Com o auxílio desses símbolos, o adepto da meditação transcende as dualidades dentro de sua própria natureza. A síntese final entre compaixão e sabedoria leva à percepção do Absoluto.

NASCIMENTO DE TARA

Se conta, que Avalokiteshavara, o Buda da Compaixão, que em profundo pesar ante os sofrimentos do samsara, lhe caíram lágrimas dos olhos, lágrimas essas que formaram um lago. Do fundo do lago emergiu uma flor de lótus. Quando o botão se abriu, uma maravilhosa divindade feminina saiu de dentro dela. Era Tara, que em sânscrito, significa "estrela". A nobre Deusa Tara é descrita como "da cor da lua, calma, sorridente, sinuosa, irradiando luz de cinco cores..." Tara, filha de Avalokiteshavara, tem beneficiado muitos seres, manifestando-se de varias formas e realizando varias atividades através de estados particulares de concentração. A sua terra pura chama-se “harmonia das folhas de turquesa”.

Tara possui inúmeras personalidades que se expressam de acordo com a necessidade e a diferença entre essas manifestações está na cor.

Todas as divindades femininas budistas, possuem também seus aspectos pacífico e agressivo. Em seu aspecto pacífico, as divindades, tanto masculinas quanto femininas, usam coroas, jóias, mantos bordados em pedestais de lótus e possuem halos e auras de raios de luz. Em seu aspecto agressivo, elas tendem a ter poses dinâmicas e estatura alta e aparecem lutando contra demônios, a testa franzida, tendo emblemas e ornamentos terríveis, envoltas em chamas.

No Vajrayana, cada divindade ocupa seu lugar na hierarquia divina, além de possuir seu mantra, sua mandala (esfera de influência, simbolizada por um diagrama cósmico), seus próprios assistentes e mensageiros. Cada uma é reconhecida por seu posto, cor de pele, o número de cabeças e membros, "mudras", suas roupas, emblemas, ornamentos e acessórios. Tudo isso deve ser visualizado com clareza e precisão pelo adepto para que a divindade possa se manifestar.

TARA BRANCA(Sânscrito: Sitatara; Tibetano: Sgrol-dkar)






Nesse seu aspecto branco, Tara senta-se na pose de Buda, a mão direita formando o "mudra" da caridade ou concedendo presentes, e a mão esquerda erguida, segurando o cause de uma flor de lótus (seu emblema distintivo), que floresce sobre seu ombro. Ela possui sete olhos de sabedoria, um no centro da testa, um na palma da mão e um na sola de cada pé. A Tara Branca também possui uma versão dinâmica e levemente agressiva, com mil braços, cabeças, olhos e pés, chamada Ushnishasitatapatra, a Deusa da Sombrinha Branca.

Tara Branca é chamada, ás vezes, a Mãe de todos os Budas e representa o aspecto maternal da compaixão. Sua cor branca significa pureza, sabedoria e verdade.

A Tara Branca aumenta as expectativas de vida. Está relacionada à longevidade e a tudo que esse processo implica. É dessa forma, toda branca, que ela nos conduz aos estados de auto-conhecimento e iluminação profundos. Na prática religiosa a Tara Branca ajuda seus seguidores a superar obstáculos, especialmente aqueles que inibem a prática da religião.

MANTRA: OM TARE TUTTARE TURE

TARA VERDE

(Sânscrito: Syamatara; Tibetano: Sgrol-ljang)




A Tara Verde é representada sentada sobre uma flor de lótus emergindo de um lago, tal como se diz que ela emergiu das lágrimas de Avalokiteshvara. Sua cor como seu nome indica que é verde. Sua mão direita faz o "mudra de dar", indicando sua habilidade para dar a todos os seres o que necessitam, enquanto sua mão esquerda colocada em seu coração faz o "mudra de dar refúgio". Em cada mão sustêm o talo de uma flor de lótus com uma flor aberta e dois botões que indicam o alcance de sua atividade no passado, no presente e no futuro.

Veste roupas reais, multicoloridas e uma blusa ornamentada com jóias. Na cabeça há uma tiara com jóias e um rubi ao centro que simboliza a Amitabha, seu pai espiritual da família búdica do lótus. A perna esquerda encolhida sobre o lótus indica sua renúncia as paixões mundanas, a perna direita estendida y saindo da flor, indica sua presteza para acudir e ajudar todos os seres.

A Tara Verde encarnou como Nepali, esposa do rei tibetano Srong-brtsan-sgam-po. No Budismo a cor verde está associada com atividade e realização. A Tara Verde deve ser invocada para remover obstáculos, para proteção e em situações de medo.

INVOCAÇÃO: Para invocar a força da Tara Verde, concentre-se na questão e peça clareza à divindade. Visualize Tara como uma forte luz verde-esmeralda a sua frente, enquanto recita ou canta o mantra:

OM TARE TUTTARE TURE SOHA

Concentre-se no pedido, visualize a luz verde a sua frente se intensificando e penetrando no topo de sua cabeça. Enquanto ela entra em seu corpo, purifica suas dúvidas e medos. Quando se sentir calmo e seguro, veja a luz verde descer, passando pela garganta até fundir-se com seu coração. Permaneça nesse estado o tempo que puder, cultive o sentimento de confiança de que sua meditação foi realizada com sucesso e seu pedido será atendido ou o problema solucionado. Para finalizar, dedique essa energia a todos os que necessitam da positividade que você acumulou fazendo a meditação.